terça-feira, 14 de outubro de 2014

Plausível;Acreditável;Credível

A minha miúda está no 10º ano.
Um destes dias, o professor de filosofia (disciplina que têm pela primeira vez na vida), perguntou numa aula se sabiam o significado da palavra "plausível".
Um dos colegas da minha filha respondeu "acreditável".
Perante esta resposta, o professor soltou uma gargalhada, dirigiu-se em passo apressado à sua secretária, puxou de um bloco onde escreveu a palavra proferida pelo aluno, e a sorrir justificou a acção:
"isso não existe. e não me leves a mal, mas eu estou a escrever um livro com as gralhas que os alunos dizem. tudo anónimo, ninguém vai saber que foste tu".
O miúdo, não sei se corou (se fosse a minha, corava na certa, que nem um tomate maduro e seria motivo para estar desconcentrada o resto da aula, a pensar no assunto), e nesse instante, outro aluno resolve atirar "credível". 
O professor olhando para o miúdo do "acreditável", diz "era isto que querias dizer, não era?"

Errar é humano. Os professores também erram. 
Para este professor não saber a existência da palavra em questão, não me parece credível, mas... dou-lhe o benefício da dúvida. O que já não me parece plausível, é este professor estar a escrever um livro acerca das gralhas que os alunos proferem em aula, sendo que, não estamos a falar de criancinhas do pré escolar em que a "coisa" até podia ter a sua graça. Estamos a falar  de alunos do secundário, entre os quinze e os dezoito anos no mínimo. Um professor deitar abaixo a confiança e auto estima de um aluno, perante o olhar de uma turma, é que não me parece de todo acreditável. Principalmente, quando a maior "gralha" foi a dele. 

Assim, espero que o referido aluno, tenha já elucidado o referido professor acerca  da referida palavra, sendo que, apesar de não ser (exactamente) o sinónimo pretendido, existe.

a·cre·di·tá·vel 
adjectivo de dois géneros
Que pode ser acreditado.


"acreditavel", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/acreditavel [consultado em 14-10-2014].

14 comentários:

  1. que abuso desse senhor
    hoje em dia qualquer gato pingado escreve livros, livros desses, depois queixam-se que os miúdos deixam de ter interesse em ler, enfim

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e será plausível que os miúdos o achem um pouco menos credível...:)

      Eliminar
  2. Este professor bem que se podia enfiar num buraco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso estou curiosa para saber a reacção que teve perante o miúdo (que ao que parece, ia esta semana munido de um dicionário para a aula)

      Eliminar
  3. Inacreditável.
    Ou talvez não.
    Queixam-se, queixam-se, e fazem um serviço vergonhoso.
    Já este ano, uma pessoa das minhas (11º ano) teve uma aula de português (retém: português, Língua Portuguesa), em que o professor projectou um cartoon na parede, cuja personagem era o Aníbal António (retém: presidente da república portuguesa), denominado "A última mamada".
    ...
    ...
    ...
    Por isso, quando os vejo a chorar nas ruas e a manifestarem-se, acorda o pior que há em mim. E ninguém me venha dizer que são excepções. Tenho mil histórias iguais a esta para contar. Excepção são os bons, os pontuais, não absentistas, os honestos na profissão.

    Inacreditável é o que se passa entre quatro paredes numa sala de aula, em que a palavra do "stôr", contra a de 28 testemunhas, é soberana. É dessa impunidade, que até a própria incompetência dissimula, que vivem muitos. E são muitos mais do que os pais imaginam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "a ultima mamada" ?? Bolas, que a tua experiencia(s) é pior do que a minha... Eu conheço muitas "excepções" (os bons, os pontuais, os honestos na profissão), mas também se me dá assim a modos que um piripáque, quando me contam coisas destas... (mamada??? tens a certeza???)

      Eliminar
    2. Mamada.
      Olha, até fui verificar, já depois de ter posto o comentário.
      Paula Rego.

      https://www.google.pt/search?q=a+%C3%BAltima+mamada&rls=org.mozilla:en-US:official&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ei=dTM-VJLaG8nlataGgfgJ&ved=0CAgQ_AUoAQ&biw=1440&bih=789#facrc=_&imgdii=_&imgrc=6bGs3MuEeP73FM%253A%3BnrsejtjdcKMpSM%3Bhttp%253A%252F%252F1.bp.blogspot.com%252F-zZx8IM4ImE8%252FUbeoxUKrT7I%252FAAAAAAAAJy4%252FTVt4fgMTUug%252Fs640%252FA%252B%2525C3%25259Altima%252BMamada%252B-%252BPaula%252BRego.jpg%3Bhttp%253A%252F%252Fsarrabulhada.blogspot.com%252F2013%252F06%252Fa-ultima-mamada.html%3B452%3B600

      Goste-se ou não do género (eu não gosto, sou demasiado parola para apreciar estas artes), a pergunta é: e o que é que raios isto tem a ver com a matéria da disciplina, com o programa de Língua Portuguesa, a ponto de ter que ser projectado na parede da sala de aulas?

      Eliminar
    3. oh melhér, isso cultura... na precebes?

      Eliminar
    4. Nada. Diante destas imagens, varre-se-me a pouca cultura que, à martelada, consegui absorver :D

      Eliminar
  4. Inacreditável é um professor rebaixar um aluno em frente a uma turma. Inacreditável é um professor proferir "alarvidades" sem se informar dos disparates que diz. Inacreditável é o que a Linda Porca descreveu no comentário acima durante uma aula de Português.

    ResponderEliminar
  5. Não vi nada de mal na atitude do professor :(
    O livro que ele quer escrever já existe!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A pior atitude foi ter gozado um aluno por ter dito "acreditável", e ele ter dito que tal palavra não existe.

      Eliminar