quarta-feira, 13 de maio de 2015

Pé de orelha

Deve ter sido há mais ou menos um ano atrás, que o miúdo me veio com esta conversa.
Foi na altura em que a irmã se debatia com a escolha do curso, para o 10º ano. Perguntei-lhe se ele, já tinha pensado nisso, embora soubesse que tinha ainda uns anos para pensar no assunto.


- não mãe, nunca pensei muito nisso, porque eu nem vou fazer o 12º...


Por instantes senti uma apoplexia. Depois recompus-me, e achei que podia ser uma brincadeira.
 
- não mãe, não estou a brincar. É mais ou menos nessa altura que os grandes clubes vêm buscar os grandes jogadores, e eu depois nessa altura não vou ter tempo para grandes estudos...


Tivemos logo ali um pé de orelha. Eu dei o pé. Ele deu a orelha. 

Ontem, a caminho do treino, e um ano volvido, voltámos a falar sobre o assunto.


- Olha mãe, eu sei que tenho de estudar. Eu sei que ser jogador de futebol profissional é muito difícil. Vocês já me explicaram isso tudo. Eu sei. Mas eu quero mesmo, sabes? Eu não me imagino a fazer mais nada. E eu vou estudar, mas o que eu quero é mesmo isto. E por exemplo, vê lá se percebes, eu tenho muitos amigos que jogam comigo, e todos dizem que querem ser jogadores de futebol, mas eu depois vejo o comportamento deles nos treinos e nos jogos, e vou-te dizer, querer... querer... quase nenhum quer, na verdade. Acho que de todos, aqueles que querem mesmo, sou eu e outro. Querer, mesmo a sério, 'tás a ver? Querer com força. É isso. É o que eu quero, e ninguém me vai tirar isso da cabeça. E eu vou esforçar-me sempre bué para conseguir. 


Foi o nosso pé de orelha. Ele deu o pé. Eu dei a orelha.

4 comentários:

  1. É honesto da parte dele mas eu também sou mãe e percebo a apreensão.

    ResponderEliminar
  2. Parece-me que ele já percebe que não basta querer, há que lutar para que aconteça. Queres melhor coisa do que isso? Alguma coisa certa deves estar a fazer com a educação dele :)

    ResponderEliminar
  3. São as alegrias da maternidade...umas vezes damos o pé outras damos a orelha. E é assim mesmo que tem que ser.

    ResponderEliminar